Publicação atualiza cultivares de milho disponíveis no mercado

10/06/2020

Por Guilherme Viana, Embrapa Milho e Sorgo

Foto: Divulgação Embrapa

 

Na fase de planejamento da semeadura do milho da safra de verão, a Embrapa Milho e Sorgo (MG) acaba de publicar o documento Sementes de milho: nova safra, novas cultivares e continua a dominância dos transgênicos. De autoria dos pesquisadores Israel Alexandre Pereira Filho e Emerson Borghi, a publicação apresenta o levantamento das cultivares de milho disponíveis no mercado, trabalho realizado há 13 anos pela Embrapa.

O objetivo, segundo os autores, é auxiliar o produtor na fase de planejamento deste importante insumo agrícola, que é a semente. “Neste ano agrícola 2019/2020 são ofertadas 196 opções, para diferentes finalidades e regiões de cultivo”, resume um trecho. De acordo com os pesquisadores, as informações foram organizadas para evidenciar as principais características agronômicas das cultivares, assim como dados quanto ao comportamento dos materiais genéticos em relação às principais doenças que podem ocorrer nas regiões produtoras de milho no Brasil.

A publicação chega em um momento em que o Brasil se revela como recordista na produção de grãos. Segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), em seu último levantamento realizado em maio de 2020, a estimativa nacional de semeadura do milho, considerando primeira, segunda e terceira safras, na temporada 2019/20, está em 18,5 milhões de hectares e produção de 102,3 milhões de toneladas. “Notadamente, esses resultados expressivos são produto dos avanços genéticos por eras, em que se empregam modernas técnicas de manejo e melhoramento de plantas”, interpretam os pesquisadores.

Ainda segundo os autores, a biotecnologia agrícola destaca-se como importante ferramenta no desenvolvimento de híbridos de milho com genética superior, como o Bt e o RR, que contribuem para a redução da pressão sobre os recursos naturais, permitindo práticas agrícolas mais sustentáveis. “A expectativa é que esta publicação possa atender os diferentes profissionais e públicos que cultivam este importante produto agrícola brasileiro, cultivado em todos os biomas e estados, responsável por 41,5% de toda a produção de grãos do país nesta atual safra”, afirma Frederico Ozanan Machado Durães, chefe-geral da Embrapa Milho e Sorgo.

 

Predomínio dos transgênicos e otimismo cauteloso

Analisando as informações coletadas nos portfólios das empresas produtoras de milho no Brasil, os pesquisadores reforçam que as cultivares de milho transgênico têm dominado o mercado nas últimas safras, e que a adoção por parte do produtor está em nível bastante elevado, principalmente no cultivo do milho após soja, chegando a 93% da área cultivada. “A tendência no futuro é que a participação de cultivares transgênicas deve aumentar ainda mais, com adição de eventos transgênicos em cultivares já existentes, o que não implicará aumento no número de cultivares no curto prazo”, analisam.

Em relação ao cenário econômico para 2020, os pesquisadores revelam-se otimistas, mas reforçam que a expectativa de produção na casa das 100 milhões de toneladas sofrerá ajustes ao longo dos próximos meses. Há uma série de interrogações que podem afetar negativamente o mercado de milho no segundo semestre, na visão de Rubens Augusto de Miranda, pesquisador da área de Economia, principalmente a questão da crise provocada pela Covid-19, que tem afetado severamente vários setores da economia, inclusive a produção de combustíveis. “No mercado externo, a expectativa de safra recorde nos Estados Unidos pode afetar negativamente os preços internacionais do milho e, consequentemente, as exportações brasileiras”, analisa.

A publicação está disponível de forma gratuita para download e pode ser consultada em https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/213423/1/doc-251.pdf. O aplicativo Doutor Milho, disponível nas plataformas Android e iOS, também traz essas informações. Baixe aqui para Android e aqui para iOS