Técnicos buscam qualificação do trabalho em irrigação no RS

12/09/2019

Por Deise Froelich, Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar - Regional de Santa Rosa

Foto: Germano Buttow, Emater/RS-Ascar

Técnicos de 43 escritórios municipais da Emater/RS-Ascar, da região de Santa Rosa, participaram durante esta semana de treinamento em Manejo de Irrigação. A Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) nesta área resultou na elaboração de 3.474 projetos no Estado, por meio de políticas públicas do Programa Estadual de Irrigação, no período de 2011 a 2019, contemplando uma área irrigada de 8.931 hectares. Destes, 819 projetos, ou seja, 23,5% foram elaborados na região de Santa Rosa, envolvendo a irrigação de 2.521 hectares.

O assistente técnico da Emater, José Enoir Daniel, que conduziu a capacitação de 03 a 05/09 na região de Santa Rosa, destaca também que este volume de projetos elaborados pela Instituição no Estado representa o montante de mais de R$ 63,8 milhões injetados na economia, somente com a implantação dos sistemas. Deste total, em torno de R$ 15 milhões foram movimentados na Fronteira Noroeste e Missões. “A irrigação tem papel primordial em um Estado que tem precipitação anual média aproximada entre 1500 e 1600 milímetros, porém mal distribuídas, em alguns anos, principalmente nos meses do verão. É preciso armazenar e aproveitar este potencial a nosso favor, além de utilizar a irrigação de uma forma complementar à chuva, otimizando ainda mais os resultados”, reitera Daniel. A instalação de sistemas automatizados e semiautomatizados também pode ser importante aliado em situações de mão-de-obra escassa, favorecendo as condições de trabalho e de vida.

O primeiro dia de treinamento ocorreu em Campina das Missões, com o envolvimento de técnicos de 14 municípios. A Emater tem a preocupação constante de capacitar seus técnicos para qualificar sua ação junto aos produtores da região, neste caso, nas diferentes etapas do processo desde a análise de viabilidade do projeto até a assistência técnica após a implantação do sistema”, explica o assistente técnico regional da Emater, em Sistemas de Manejo de Recursos Naturais, Marco André Junges, ao citar a finalidade da capacitação. O grupo visitou as propriedades de Edemir Zenzen e Paulo Webler, que possuem 14 hectares que recebem fertirrigação, aproveitando dejetos da suinocultura, para beneficiar as culturas anuais de milho, trigo e soja.

Também foi visitada a propriedade de Sinécio Butzen, que junto com a esposa, se dedica à atividade leiteira na propriedade de 22 hectares, dos quais, 8 hectares são de pastagem perene com sistema de irrigação através de sistema auto propelido. Ainda na Linha Butiá Sul, o roteiro seguiu na propriedade de Elson Mentges, que irriga 4,1 hectares de pastagem perene através de sistema automatizado de irrigação por aspersão.

A campo avaliou-se aspectos como a qualidade na montagem, eficácia dos sistemas e condições que potencializam o retorno do investimento.

O grupo com outros 13 técnicos da região das Missões foi recebido na quarta-feira (04/09), no Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de São Luiz Gonzaga, onde as discussões também foram realizadas com o intuito de nivelar e atualizar conhecimentos sobre a operacionalização de sistemas de irrigação, com a finalidade de qualificar a assistência às famílias rurais.

Um dos principais temas em pauta foi o monitoramento de sistemas de irrigação já instalados a fim de acompanhar sua utilização adequada e o máximo retorno do investimento às propriedades. Com isso foram realizadas visitas técnicas a duas propriedades rurais de São Luiz Gonzaga, onde já estão instalados sistemas de irrigação, com projetos elaborados pelo Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar. Uma das propriedades é de Leopoldo Clarimundo Hamerski, que possui sistema de aspersão voltado ao cultivo de plantas bioativas. Outra propriedade é do produtor de grãos e leite José Olinto Machado Ramos, que possui sete hectares de área irrigada.

Na quinta-feira (05/09), técnicos de outros 16 municípios tiveram a oportunidade de participar da capacitação em Santo Cristo. Na propriedade de Wilson Braun, na Linha Larga, observaram-se os mesmos aspectos na irrigação de 2,5 hectares de pastagem Jiggs e Tifton consorciada com azevém. A escolha pela irrigação de pastagem se deve ao fato de que a atividade principal da propriedade é a produção de leite a pasto. O retorno do investimento do leite em pasto irrigado é muito alto. A produção de feno pode triplicar com a irrigação adequada”, destaca Daniel. Foi justamente a produção de feno irrigado que foi observada na outra propriedade visitada, de João Nicolau Hipler, na Linha Divisa. Atualmente produz feno de Jiggs e Tifton para comercialização, sendo que 2.1 hectares da área são irrigados. O produtor avalia instalar um sistema de fertirrigação, aproveitando dejetos da suinocultura, para assim levar água e adubação à grama.

Também foram visitadas as propriedades de Ademar e Genoveva Haas, que irriga a produção de alimentos para subsistência, e de Sérgio Diel, que investiu na irrigação para maior segurança na oferta de alimentos para o rebanho leiteiro.