17º ENPDP vem aí com a missão de reforçar as bases do SPD

Redação FEBRAPDP 06/09/2019

O lançamento oficial do 17º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha – ENPDP acontece no próximo dia 23 de setembro, na sede da Reitoria da Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD, em Mato Grosso do Sul. Durante a solenidade, serão apresentadas as principais novidades e a estrutura da nova edição do evento. Com data marcada para os dias 28 a 30 de julho de 2020, o 17º ENPDP terá como tema central Sistema Plantio Direto: Base para Agricultura Sustentável.

A cerimônia contará com a presença do vice-governador do Estado de MS, Murilo Zauith e da prefeita de Dourados, Délia Razuk. Estarão presentes também o presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação – FEBRAPDP, Jônadan Ma; a reitora da UFGD, Mirlene Damázio, e o presidente do Sindicato Rural de Dourados, Lúcio Damalia, que farão breves apresentações.

A solenidade terá como destaque uma mesa redonda sobre as contribuições do evento para o futuro da agricultura sustentável em MS e nos biomas Cerrado e Pantanal. A mesa será composta por Alex Melotto, diretor-executivo da Fundação MS; André Dobashi, presidente eleito da Aprosoja-MS; Guilherme Asmus, pesquisador e chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, e Maurício Koji Saito, presidente da Famasul. Após o debate, haverá um coquetel de encerramento.

Consolidação

Segundo Jônadan Ma, são esperadas para a solenidade de lançamento 150 pessoas entre lideranças setoriais, autoridades políticas e governamentais, produtores referência, empresas líderes, acadêmicos e pesquisadores, além da imprensa.

Na oportunidade, Ma irá destacar que os holofotes do 17º ENDPD vão estar voltados para a necessidade de consolidação do SPD como base para agricultura sustentável. Através de diversas apresentações, serão reforçadas informações e dados técnicos que confirmam essa importância. “Uma contextualização que enfatiza a necessidade da percepção de que o Plantio Direto deve ser adotado baseado no sistema e não meramente como uma tecnologia individualizada ou isolada, tornando-se assim uma base para desenvolver todo o conceito de agricultura sustentável”, explica.

Ainda segundo ele, vivemos nas últimas semanas um momento de bastante polêmica com a questão ambiental da Amazônia, por conta das queimadas, em destaque no cenário internacional. Uma situação que só reforça a importância do trabalho voltado para a agricultura sustentável, salientando que o SPD é capaz de produzir sem que seja necessário derrubar uma árvore. “O contexto do SPD mostra o conceito do plano de sustentabilidade desse modelo produtivo em todos os seus aspectos de sustentabilidade: econômico, tecnológico, ambiental e, inclusive, social. Então, o momento é fantástico para mostrar ao mundo todo e à sociedade que os produtores rurais que podemos produzir conservando o ambiente de uma maneira equivalente ou similar ao que é um bioma natural”, observa o presidente da FEBRAPDP.

Complexidade

Para Guilherme Asmus, é notório um aumento nas pressões por sistemas mais amigáveis de produção. Isso vai estar cada vez mais nas pautas econômicas dos países importadores das commodities. “Então, temos convicção de que será crescente o enfoque na questão da sustentabilidade agrícola como fator de troca entre as transações globais. Nesse contexto, a agricultura ou a sustentabilidade da agricultura passa obrigatoriamente pelos sistemas mais diversificados e integrados de produção. E o Sistema Plantio Direto é um dos sustentáculos da diversificação e da agricultura sustentável. O evento vai ajudar muito na missão de reforçar, não só na dimensão ambiental, mas, mais do que nunca, nas dimensões econômica e social como o Plantio Direto contribui para a sustentabilidade da agricultura”, afirma.

Ainda segundo Asmus, o evento tem uma temática muito interessante quando coloca alguns aspectos, como, por exemplo, a questão da construção de perfil do solo e do equilíbrio entre os atributos físicos, químicos e biológicos. “Isso me chama muito atenção no sentido de que a saída do Plantio Direto para o Sistema Plantio Direto pode parecer algo muito simples, mas engloba uma complexidade que será bastante abordada durante o 17º ENPDP”.

Para Alex Melotto, a temática “base para agricultura sustentável” é importante por ter íntima relação com Plantio Direto, e vai servir para resgatar os pilares do sistema e fornecer alternativas para produtores voltarem a utilizar o Sistema Plantio Direto em sua essência, como ele foi concebido. “O principal legado do evento é mostrar e provar que é possível, sim, praticar o SPD nos dias atuais com os mesmos pilares que a gente teve quando ele veio para o Brasil na década de 1970. Obviamente com algumas adaptações, as quais as instituições de pesquisa e desenvolvimento trazem e validam para garantir sua adoção”, destaca.

Cerrado

De acordo com a organização do evento, o público estimado para o Encontro Nacional no ano que vem é de 800 a mil participantes, e, pela quarta edição consecutiva, a cidade escolhida para sediar é na região dos Cerrados. Bonito, MS, em 2014, Goiânia, GO, em 2016, Sorriso, MT, em 2018, e agora Dourados, em 2020.

Michael Araújo de Oliveira, produtor rural e presidente do Grupo Plantio na Palha de Dourados – GPP, entidade que reúne produtores e técnicos com foco nas boas práticas de conservação de solos e diversos tipos de manejo das culturas cultivadas, está animado com a oportunidade do evento na região. Para ele, o evento reunirá grandes pesquisadores de renome internacional para discutir o tema, “que é de grande importância para o Brasil e, sobretudo, também para a nossa região, pois o grande foco do evento será o resgate do Sistema Plantio Direto. Todos os diretores do GPP estarão no evento, bem como convido todos os nossos associados, produtores e técnicos regionais para participarmos juntos deste grandioso evento que acontece especialmente no ano de 2020 em nossa região”.

O presidente da FEBRAPDP explica que, certamente, grande parte do público virá dos estados que a região de Cerrados abrange, mas o conteúdo técnico apresentado atenderá às condições de lavouras em outras regiões do país. Inclusive, representantes de países vizinhos como Paraguai, Uruguai e Argentina, onde se busca o fortalecimento do conceito de agricultura sustentável, já estão confirmados.

Dia de campo

De acordo com Bruno Pontim, coordenador da Fazenda Experimental de Ciências Agrárias da UFGD e responsável pela organização do dia de campo que fará parte do 17º ENPDP em 2020, todos os participantes terão a oportunidade de visitar as quatro estações que estão sendo especialmente planejadas para o evento.

“Na primeira área, teremos uma grande quantidade de espécies de plantas que podem ser utilizadas no inverno como plantas de cobertura em SPD; na segunda estação, o participante conhecerá um projeto de pesquisa implantado, há onze anos, com sistemas de produção de grãos, com ênfase na rotação de cultura e cultivo consorciado; a terceira será uma área experimental com sistema de consórcio milho com braquiária, e, finalmente, na quarta estação haverá uma área demonstrativa em sistema convencional x consórcio milho com braquiária, na qual, no dia, será implantada uma sala de aula visando a observação do perfil do solo e raízes das plantas através de uma grande trincheira”, revela Pontim.

Como participar

A solenidade de lançamento do 17º ENPDP começa às 19h, no Cineauditório, na sede da Reitoria da UFGD, à Rua João Rosa Góes, nº 1761 - Vila Progresso, Dourados, MS. Para participar, é necessário confirmar a presença com Emilly Farias, no Sindicato Rural de Dourados, através dos telefones 67 3424-6686 ou 99971-0085.

Mais informações em https://febrapdp.org.br/enpdp