Culturas de inverno podem recuperar o solo

Assessoria de Imprensa Emater PR 28/08/2019

Lavoura de aveia – Foto: Divulgação Emater PR

As culturas de inverno podem ser uma opção de rotação de culturas em substituição ao cultivo do milho safrinha. Além de proporcionarem renda com a venda das sementes, essas espécies auxiliam decisivamente no controle de ervas daninhas, pragas, compactação e erosão de solos. Na última semana, produtores da região de Doutor Camargo, no Paraná, conheceram essas e outras vantagens das culturas de inverno durante uma Tarde de Campo.

Os organizadores da Tarde de Campo apresentaram informações sobre cultivares de aveia preta, aveia branca e triticale, microbiologia de solos e taxas de infiltração de água nos solos. As espécies de gramíneas de inverno fornecem nutrientes, como fósforo e potássio, ao solo e contribuem para o aumento do teor de matéria orgânica.

Na área demonstrativa do produtor Angelo Calvi, em Doutro Camargo, os visitantes conheceram a cultivar IPR Afrodite, aveia branca que apresenta ampla adaptação de plantio, alto rendimento de grãos e ótima qualidade tecnológica. Outra opção mostrada foi o IAPAR-61 Ibiporã, cultivar de aveia preta de ciclo tardio, que é destinada à alimentação animal. Essa aveia se presta ao pastoreio direto, bem como para o fornecimento aos animais no cocho, fabricação de feno e de silagem. A IPR Cabocla é uma cultivar de aveia preta, de ciclo curto, que tem uma boa produção de grãos. Já a IPR Aimoré, cultivar de triticale de ciclo precoce, tem uma ampla capacidade de adaptação de plantio.

De acordo com Silvio Ferrari, do Instituto Emater de Doutor Camargo, a aveia tem um valor comercial interessante. "O grão da aveia preta IAPAR 61, por exemplo, pode ser destinado à produção de sementes e fábricas de ração. Já a aveia branca pode ser usada para todos esses fins e também para o consumo humano. O produto tem muita demanda no segmento de alimentos naturais", afirmou o extensionista. A Tarde de Campo sobre culturas de inverno foi promovida pelo Instituto Emater, IAPAR e Cocamar e foi dirigida a agricultores, extensionistas e demais técnicos da região.