Por um futuro mais pleno e sustentável

Redação FEBRAPDP 16/08/2019
Marie Bartz contando a história do Sistema Plantio Direto para as crianças em Rolândia, Paraná

Crianças e Agricultura Sustentável é uma combinação pra lá de alegre. Ainda mais quando isso tem um objetivo específico: plantar as sementes que vão frutificar um futuro melhor, mais consciente e, portanto, mais pleno. Na última sexta-feira, dia 9 de agosto, 600 crianças da rede pública de ensino do município de Rolândia, no Paraná, participaram de um encontro com Herbert Bartz, pioneiro do Sistema Plantio Direto na América Latina, e Marie Bartz, sua filha. Ambos são personagens do livro O mistério do ribeirão vermelho, de Wilhan Santin, que, juntamente com o diretor-presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação – FEBRAPDP, Jônadan Ma, formaram o grupo que participou da palestra.

Como produzir sem agredir tanto a natureza? Como produzir de maneira sustentável e saudável? Por que desperdiçamos tantos alimentos? Por que a distribuição é desigual? Essas e tantas outras questões dão muito que pensar. E para responder e ajudar a compreender as problemáticas relacionadas à produção de alimentos, a Secretaria Municipal de Educação de Rolândia organizou o evento que reuniu, além das crianças, professores e representantes da prefeitura municipal.

De acordo com Sílvia Unbehaun, secretária Municipal de Educação, a iniciativa visou incentivar pesquisas, ideias e propostas para motivar e contribuir, através da educação, para um mundo melhor. “Acreditamos que o papel da educação é fazer com que as crianças pensem e reflitam sobre o conhecimento do ser humano; ou seja, o que foi construído durante o tempo como se pensou e porque se pensou de tal maneira. Em especial, no caso da proposta do Plantio Direto, havia uma problemática a se resolver e foi com a observação da própria natureza e como tratar a mesma que se pensou em alternativas”, destaca Sílvia.

Benefícios para além do meio rural

Para Marie Bartz, que também é uma profissional da educação, uma vez que atua como professora na Universidade Positivo, além de ser bióloga, pesquisadora e diretora-secretária da FEBRAPDP, a intenção foi contar um pouco para crianças de 3 a 12 anos — muitas filhas de produtores e trabalhadores rurais, bem como crianças da área urbana do município —, quem são as personagens no livro infantil e o que ele aborda. Segundo Marie, as crianças enxergaram que aquilo que está sendo contado no livrinho é real. O fato de as pessoas serem reais e estarem ali presentes prendeu muito a atenção delas, que depois acabaram fazendo várias perguntas.

“Há uma mudança esperada em dois aspectos, especialmente: o primeiro é na valorização da nossa história, pois o livro traz um pedacinho importante, não só da nossa agricultura, mas da região norte do Paraná; e o segundo diz respeito à mudança na visão do que a nossa agricultura faz de bom através do Sistema Plantio Direto. Em outras palavras, além de proteger e conservar o solo, também existe um movimento de preservação da água e todo o meio ambiente, refletindo diretamente para a sociedade como um todo. A disponibilização de conteúdos ligados à agricultura sustentável ainda é muito escasso, mas temos mais opções do que no meu tempo. Trata-se da valorização de nossa agricultura. Se esse processo de educação e conscientização houvesse iniciado anos atrás, com certeza teríamos outro cenário no país”, observa Marie.

Encantamento

Sílvia conta que “as crianças ficaram encantadas em ouvir um pouco do trabalho de uma bióloga (Marie Bartz) sobre suas pesquisas com minhocas. Puderam ouvir também o relato de Herbert Bartz que ficou emocionado em ver tantas crianças. Jônadan Ma deu uma aula quando falou de maneira cativante sobre a experiência do Plantio Direto e a saga vivida por Herbert Bartz. Por fim, ouvir também o escritor Wilhan Santin sobre sua experiência de escritor e alguns detalhes do livro, foi também muito cativante”.

Ela conta ainda que as escolas têm procurado desenvolver pequenos projetos com hortas, e que a ideia de construírem minhocários e terrários aguçou ainda mais a curiosidade de muitos dos alunos.

Doação de exemplares

Os livros foram doados para as bibliotecas das escolas, a fim de que os professores trabalhem com várias turmas. Em Rolândia, foram entregues cerca de 350 exemplares para doze escolas municipais, três escolas particulares, três bibliotecas e para a Igreja Luterana.

Mas as ações não pararam aí. No mesmo dia, em Londrina, a Secretaria Municipal de Educação, organizou um outro evento no gabinete do prefeito Marcelo Belinati, que recebeu a diretoria da FEBRAPDP. Estavam presentes os secretários da Educação, Cultura, Agricultura e Meio Ambiente, além de professores e formadores da rede municipal de escolas. Nesta oportunidade, foram doados outros 1400 exemplares para 87 escolas municipais e cinco bibliotecas de Londrina.

Responsabilidade

Para Ma, esta foi uma ação inédita para a Federação em função do tipo de público alcançado. Segundo ele, foi muito bom observar o grau de receptividade e o grau de importância que foi dado pelas lideranças e autoridades municipais, professores, diretores de escolas e, é claro, pelas próprias crianças.

“É necessário levar ao conhecimento da realidade do campo que nós vivemos através do trabalho de uma agricultura desenvolvida de forma sustentável nos aspectos ambiental, econômico e social. Isso traduzido de uma forma prática, amigável e acessível para as crianças para que elas comecem a se conscientizar. Certamente, iniciativas como essas vão preparar as futuras gerações, vão preparar o futuro do país. Precisamos transmitir o legado dos pioneiros”.

Ma acrescenta que o papel da FEBRAPDP é ser o elo de ligação entre a pesquisa, o sistema produtivo e também com a sociedade que consome nossos alimentos nas cidades. “Ela precisa perceber que o Sistema Plantio Direto é feito de forma responsável, gerando renda, empregando tecnologias adequadas, sendo ambientalmente correto e socialmente responsável. O papel da Federação é mostrar que a agricultura pode ser desenvolvida de modo sustentável. O que falamos tem peso, tem realidade, tem consistência”, enfatiza.

“Todo dia é especial, mas tem dias que são diferentes, únicos, pois dão um significado ao que fazemos e dá sentido às duras lutas que empreendemos, permite entender o porquê dedicar nosso tempo em prol de tanta coisa, especialmente estar à frente de uma federação que trabalha em prol do Sistema Plantio Direto - Base para uma Agricultura Sustentável”, celebra o presidente da FEBRAPDP em reflexão sobre o encontro com as crianças das escolas de Rolândia.