Expandindo horizontes

Redação FEBRAPDP 01/08/2019
Jônadan Ma, novo presidente da CAAPAS, Rafael Fuentes, diretor executivo da CAAPAS, e integrantes da FEBRAPDP, AAPRESID, AUSID e FEPASIDIAS

No último dia 26, em Montevidéu, Jônadan Ma, diretor-presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação – FEBRAPDP, foi eleito e assumiu também a presidência da Confederación de Asociaciones Americanas para la Agricultura Sustentable – CAAPAS. Rafael Fuentes, diretor da FEBRAPDP e pesquisador do IAPAR, tornou-se responsável pela direção executiva da entidade. A nova gestão vai conduzir as ações conjuntas das principais entidades ligadas à agricultura conservacionista nas Américas no biênio 2019/2021.

De acordo com o novo presidente, entre as principais metas estão o fortalecimento das relações entre as quatro federações associadas e ativas que atualmente integram a CAAPAS. A integração dos esforços prevê atuações conjuntas no contexto continental e mundial. Além da FEBRAPDP, fazem parte desse grupo a Asociación Argentina de Productores en Siembra Directa – AAPRESID, a Federación Paraguaya de Siembra Directa para una Agricultura Sustentable – FEPASIDIAS e a Asociación Uruguaya de Siembra Directa – AUSID.

O movimento passa ainda pelo resgate das federações de países que fizeram parte ativamente da CAAPAS durante seu período de maior representatividade. Dentre estas, estão a Asociación de Productores de Oleaginosas y Trigo – ANAPO (Bolívia), a Soil Conservation Council of Canada – SCCC, o Centro de Desarrollo de la Cero Labranza – CEDECELA (Chile), a Conservation Technology Information Center – CTIC (EUA) e a Asociación Mexicana de Labranza de Conservación – AMLC. Faz parte dos planos integrar também associações de países da América Central que promovam a agricultura sustentável.

Ainda segundo Ma, entre as metas da nova gestão também está a ampliação da representatividade e da presença mundial da CAAPAS, “principalmente porque as Américas produzem grande parte dos alimentos do mundo”, lembra o presidente, que também planeja buscar fontes de financiamento para projetos integrados de pesquisa, desenvolvimento e fomento da Agricultura Sustentável nos países em que a CAAPAS atua nas Américas. Essas fontes seriam instituições como Banco Mundial, BID, FAO e outras agências internacionais que possuem fundos específicos para esta finalidade.

Nem vítima nem vilão

Para o novo presidente, hoje, os maiores desafios a serem enfrentados quando se fala em agricultura sustentável nas Américas “são, sem dúvida alguma, dois: o primeiro é a expansão e consolidação do conceito pleno do Sistema Plantio Direto (SPD) em todos os países; e o segundo é trabalhar na melhoria contínua da qualidade do SPD, de forma a permitir ao produtor o devido retorno e reconhecimento público e político de que verdadeiramente aplica e entrega uma produção agrícola com base nos conceitos da agricultura sustentável e não seja uma vítima ou vilão dos que meramente usam isto como discurso de retórica social e ambiental”, destaca Ma.

De um modo geral, os conceitos, demandas e desafios da agricultura Sustentável são praticamente os mesmos no mundo todo. “São os problemas nos aspectos técnicos, como de compactação do solo por manejos indevidos do SPD, a falta de rotação de culturas, a ausência de palhada e a ressurreição do preparo do solo como aração e gradeação; além dos problemas de resistência, de plantas daninhas ao glifosato e de pragas ou doenças aos defensivos, e a grande dependência aos insumos modernos como fertilizantes e agroquímicos”, diz.

Estruturação da representatividade

“Atualmente, a CAAPAS precisa de um vigoroso trabalho de construção de relacionamento institucional internacional, seja no aspecto setorial como no público. Em outras palavras, ela é pouco conhecida e ainda débil em representatividade como defensora da Agricultura Sustentável na América, muito menos no mundo. Ela não possui, sequer, um orçamento que permita aos seus representantes trabalharem de modo mais dedicado nos países que representa. Por isso, a importância de uma FEBRAPDP, brasileira, para dar este suporte inicial nesta nova gestão, até que consigamos estruturar financeira e tecnicamente uma CAAPAS que atenda as Américas”, explica Ma.

De acordo com Rafael Fuentes, hoje a atuação da CAAPAS está circunscrita à participação dos quatro países do Cone Sul. “Como a instituição visa a integração de associações nacionais e produtores envolvidos com o plantio direto e a agricultura conservacionista, nosso intuito é levar a voz dos produtores a todas as instâncias para alcançar políticas administrativas e dos órgãos internacionais representando os interesses dos produtores, principalmente, daqueles que trabalham por uma agricultura mais sustentável. Como o Cone Sul alimenta praticamente 20% da população mundial, dessa forma temos muito a contribuir na integração dos produtores com as instituições globais”.

Ainda segundo Fuentes, a ideia é começar a organizar, já nos próximos meses, um encontro com o grupo Mundial de Agricultura de Conservação em Foz do Iguaçu, PR, por volta de junho de 2020. No mesmo período, acontece em Berna, na Suíça, o Congresso Mundial de Agricultura de Conservação, para o qual também já irão começar os preparativos para participação. Outra iniciativa é a organização das comemorações dos 50 anos, em 2022, do início do SPD na América Latina.

Desafios pessoais

A primeira grande novidade na nova gestão é a criação do cargo de diretor executivo, que até então não existia. A larga experiência de Rafael Fuentes nas relações internacionais — possui estreita relação com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e com colegas das associações nacionais da Argentina do Uruguai e do Paraguai, além do Brasil — foi determinante para sua indicação ao cargo, que é um trabalho voluntário, e, sob o ponto de vista estratégico, fundamental para o grande desafio que serão as articulações entre as associações nacionais de SPD e de Agricultura Sustentável em todo o continente americano.

Farão parte da nova diretoria Luiz Cubilla, da FEPASIDIAS, na função de vice presidente; Facundo Capandeguy, da AUSID, no cargo de secretário, e Alejandro Petek, da AAPRESID, como tesoureiro.

Jônadan Ma considera a nova atribuição de presidente da CAAPAS um desafio pessoal, que só foi possível assumir porque traz consigo “uma grande equipe, que são os nossos companheiros da Diretoria e Conselhos da FEBRAPDP, todos engajados e comprometidos com nossa missão, visão, objetivos e metas!”, ressalta.