Plantio Direto de Mandioca recupera solo no PR

Assessoria de Imprensa da Emater PR 03/07/2019
Foto: Emater PR

O Paraná é o segundo produtor nacional de mandioca, sendo responsável por 3,7 milhões de toneladas ou 17% de toda mandioca produzida no país. A região Noroeste do estado responde por mais de 60% da produção de mandioca de mesa para a indústria. No entanto, a região vem apresentando problemas de manejo e má conservação dos solos em áreas naturalmente sujeitas à erosão. Os extensionistas do Instituto Emater vêm sugerindo aos produtores o plantio direto de mandioca como forma de enfrentar esse problema. A técnica recupera o solo, inclusive de áreas de pastagens degradadas.

O sistema de plantio direto da mandioca traz diversos benefícios para o solo. De acordo com o extensionista José Aridiano Lima de Deus, a técnica pode reverter diferentes quadros de degradação. "O plantio direto e as práticas conservacionistas favorecem a proteção do solo pela formação de palhada, retenção de umidade, redução de plantas daninhas, reciclagem de nutrientes, aumento da fertilidade e diminuição da temperatura do solo", afirma Aridiano. A prática do plantio direto ainda é importante para implantação de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária Sustentável, trabalho já realizado pelo Instituto Emater na região Noroeste em convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento direcionado à produção de carne e madeira de qualidade.

Recentemente produtores de diversos municípios da região participaram de uma reunião técnica sobre o cultivo mínimo e plantio direto da mandioca. Na oportunidade, os agricultores discutiram com os técnicos a importância da regulação da plantadora e adubadora, bem como o uso de manivas de qualidade e cultivares adequadas ao sistema de plantio direto. Esse trabalho foi feito por meio de uma parceria entre os extensionistas do Instituto Emater com alunos do curso de Engenharia Agrícola da UEM, Campus Arenito.