Juntos pela tecnologia na agricultura

Redação FEBRAPDP 31/05/2019

Na última segunda-feira, 27 de maio, a Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação (FEBRAPDP) entregou à Anvisa um processo para manutenção do glifosato com 30.853 assinaturas de agricultores de 16 estados brasileiros.

O glifosato é um dos herbicidas mais usados no mundo e devido à sua grande eficiência e baixo risco se tornou uma das principais ferramentas no controle de plantas daninhas, viabilizando a expansão do Sistema Plantio Direto, sistema que tem propiciado contínuos aumentos de produtividade das lavouras e que viabilizou a agricultura familiar.

A consulta pública da Anvisa sobre a reavaliação toxicológica do glifosato termina no dia 6 de junho. A FEBRAPDP apoia a nota técnica da Anvisa que confirma a segurança do glifosato e mantém o uso seguro do produto, porém, ressalta que os seguintes itens não foram considerados:

  1. O volume máximo de 2,3 kg/ha é prática agrícola e não compete à Anvisa porque o volume varia de acordo com a planta daninha a ser combatida;
  2. O uso dos equipamentos de proteção individual (EPIs) que o agricultor ou colaborar utiliza ao realizar: preparo de calda, abastecimento do tanque e aplicação do produto.

A atual proposta pode afetar toda a rotina de trabalho e de controle de plantas daninhas de forma desnecessária uma vez que o uso dos EPIs e as práticas agrícolas já controlam ou eliminam as preocupações apresentadas. Confira os links e deixe a sua contribuição para a consulta pública:

http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=45725

https://febrapdp.org.br/noticias/659/hora-de-falar

Oeste da Bahia e adoção do Sistema Plantio Direto

O diretor-presidente da FEBRAPDP, Jônadan Ma, e o vice-presidente da FEBRAPDP na Bahia, Luiz Pradella, participaram do Fórum Canal Rural: Sistema Plantio Direto como vetor da agricultura sustentável nessa quarta-feira, 29 de maio. Ao lado do presidente da Aiba, Celestino Zanella, presidente da ABRAPA, Julio Busato, e produtor rural do oeste baiano, Valmor dos Santos, eles discutiram sobre a importância do Sistema Plantio Direto para controle de pragas e doenças como nematoides, recarga de aquíferos, aumento da produtividade, conservação ambiental e combate à erosão.

Informar é preciso

Segundo Zanella, vivemos um momento onde questões ideológicas e de desinformação demonizam o glifosato, assim, boa parte da população não sabe o que é e a importância que o produto tem para a agricultura e a alimentação da população. “Eliminar o glifosato é ignorância pura, não há condições neste momento. É muito simples dizer apenas que precisa eliminar um princípio ativo, mas é necessário colocar algo em seu lugar. Se tirarmos o glifosato hoje, vamos ver o que sobrará de nossa agricultura”, argumenta.

Sobre essa questão da desinformação, Jônadan Ma, destacou que a FEBRAPDP tem o dever de, não apenas conscientizar, mas também de informar sobre o que o glifosato representa. “Essa informação precisa ser levada aos órgãos públicos e também junto à Anvisa, que está fazendo uma consulta pública — a ser encerrada no dia 6 de junho — na qual pergunta à população brasileira sua opinião sobre o texto que regulará o uso do glifosato no Brasil. Precisamos nos mobilizar e participar desta consulta porque a corrente contrária é muito grande. Não se trata de uma questão ideológica ou conceitual, é de sobrevivência mesmo, uma questão de segurança pública. O que será de nós sem o glifosato? Existem tecnologias mais modernas que já permitem novos caminhos, mas nenhuma delas pode ser massificada ainda na dimensão que os produtores de alimentos do mundo precisam. Além disso, a pesquisa brasileira está enfrentando sérias dificuldades com contingenciamento de recursos, e não tem condição nesse momento de apontar soluções alternativas para o uso do glifosato no Brasil”, afirma o presidente da FEBRAPDP.

Julio Busato destacou que “estão querendo proibir o glifosato pelo achismo. O que está sendo proposto no Brasil vai além do glifosato em si, busca-se a modernização de processos burocráticos de aprovação de defensivos. Os nossos são de 1930”, destaca.

O Fórum ocorreu na 15ª edição do Bahia Farm Show 2019, em Luís Eduardo Magalhães, que ocorre até amanhã, 1 de junho. Confira a discussão do Fórum em https://www.facebook.com/febrapdp/.

Participantes do Fórum Canal Rural: Sistema Plantio Direto como vetor da agricultura sustentável