Plantas de cobertura de solo ganham força também em pomares e parreirais no RS

Da Redação FEBRAPDP 12/03/2019

Da Redação FEBRAPDP

Foto: Divulgação Emater/RS-Ascar
Foto: Divulgação Emater/RS-Ascar

Com a ideia de conscientizar os produtores rurais de que seu maior patrimônio é o solo, e que, portanto, este manter suas características naturais, a Emater/RS-Ascar de Campestre da Serra, RS, em parceria com a Prefeitura Municipal, vem promovendo, desde o ano de 2017, uma para difundir sementes de plantas de cobertura do solo.

Ervilhaca, nabo forrageiro, aveia preta, trevo branco e azevém compõem o conjunto de culturas usadas com essa finalidade na região. A iniciativa é entendida como uma forma de ajudar a melhorar a conservação do solo e da água nas áreas produtivas de videiras e frutas de caroço nas propriedades rurais do município, bem como reduzir o número de aplicações de herbicidas e aumentar a fertilidade das áreas cultivadas.

De acordo com Cirlene Kluck, engenheira agrônoma e extensionista rural agropecuária da Emater RS, a proposta é fazer uma "campanha de aquisição de sementes", através da qual onde a Emater, além de fazer a orientação técnica aos produtores da importância do uso das plantas de cobertura do solo, articula com a Cooperativa Santa Clara um valor acessível para a compra conjunta, onde cada produtor faz um depósito do valor para a cooperativa, a fim de garantir o pedido de suas sementes, estimulando assim a adesão à campanha.

O volume total adquirido por espécie foi de 150 kg de ervilhaca, 150 kg de nabo forrageiro, 7.440 kg de aveia preta, 18 kg de trevo branco e 225 kg de azevém. Quantidade suficiente para uma área de mais de 200 hectares de cobertura de solo entre parreirais e pomares dos 32 produtores rurais que já aderiram ao programa; dentre os quais há também alguns produtores de grãos que adquirem as sementes para uso em suas lavouras.

Cirlene explica que ainda é cedo para quantificar os resultados alcançados com manejo proposto pelo projeto. “São necessários alguns anos de uso do sistema, para conseguir um equilíbrio das condições do solo (físicas, químicas e biológicas), haja vista algumas áreas estarem exauridas, compactadas, com pouca matéria orgânica. Alguns produtores, no entanto, já possuem o equilíbrio desse sistema de manejo, visto que já haviam aderido ao sistema anteriormente à campanha, como resultados dessa prática podemos citar uma diminuição no uso de fertilizantes químicos e uso de herbicidas, o solo apresenta mais porosidade, com uma microflora mais intensa, uma capacidade maior de armazenamento da água e uma diminuição dos problemas de erosão e carreamento do solo nos pomares e parreiras do município”, detalha ela.

 

Os benefícios do uso de plantas de cobertura de solo

- Recuperar a capacidade de infiltração e armazenagem de água nos solos agrícolas degradados;

- Reduzir a taxa de erosão do solo;

- Manter/elevar o teor de matéria orgânica dos solos.

- Romper as camadas compactadas de solo.

- Fornecer nitrogênio para as parreiras/frutíferas.

- Reciclar os nutrientes do solo.

- Reduzir a lixiviação de nutrientes no solo.

- Diminuir a população de plantas espontâneas (efeito supressor)

- Fornecer substrato para microrganismos do solo.

- Reduzir o risco de escassez hídrica a partir da reserva/armazenamento de água do solo;

- Reduzir o uso de herbicidas na agricultura.

- Aeração do solo