Entidade de Utilidade Pública Federal desde 1998
FEBRAPDP SISTEMA PLANTIO DIRETO IRRIGAÇÃO PROJETOS PUBLICAÇÕES ENPDP PARTICIPE
English Version
Newsletter




16º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha
PEC 37 pode tirar o agronegócio brasileiro do mercado internacional

Novacki defende a Lei Kandir rumo a retomada econômica do país


 


Aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), no dia 29 de novembro de 2017, a proposta de emenda à Constituição (PEC 37/2007), do Senador Flexa Ribeiro, que revoga a Lei Kandir para resgatar a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), nas exportações de produtos não industrializados e semielaborados está causando apreensão ao setor agropecuário.



Com objetivo de reforçar a desoneração das exportações brasileiras, a Lei Kandir (Lei Complementar nº 87), homologada em 13 de setembro de 1996, vem beneficiando a toda cadeia produtiva há mais de vinte anos. Já a isenção da cobrança para os produtos industrializados, destinados ao mercado externo, ocorreu por ocasião da aprovação da Constituição Federal de 1988.


 


No entanto, o parecer da CCJ, Nº 158, de 2017, afirma que a não incidência do ICMS sobre os produtos primários vem causando perdas consideráveis aos Estados da Federação e que “a questão nunca foi adequadamente equacionada e se tornou motivo permanente de conflito, chegando-se a um paradoxo: todo o País é beneficiado com as exportações, mas os Estados exportadores são prejudicados”.


 


Secretário Executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eumar Roberto Novacki, analisa a questão frente à situação econômica do país e sai em defesa da competitividade internacional do agronegócio brasileiro.


 


FEBRAPDP: Considerando a revogação da incidência da Lei Kandir sobre as exportações aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, como esta extinção afetaria o setor do agronegócio brasileiro?


 


Novacki: O agronegócio é a locomotiva da economia brasileira, representa um quarto do Produto Interno Bruto (PIB) do País, é responsável por um de cada três empregos criados e responde por quase metade das exportações brasileiras. A competitividade internacional do agronegócio brasileiro garantiu a retomada econômica do país. Foi o que proporcionou o superávit da balança comercial brasileira nestes tempos de dificuldade econômica que o país atravessa. Taxar esse setor exportador é inviabilizar o mais importante segmento produtivo do País, em um momento em que ensaiamos sair da grave crise econômica que atravessamos.


 


 


FEBRAPDP: Qual é o tamanho do impacto da tributação do ICMS sobre a exportação de produtos não industrializados e semielaborados na arrecadação dos Estados da Federação?


 


Novacki: Como se sabe a Lei Kandir isentou da tributação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), fundamentalmente as exportações de minérios e produtos agrícolas. A existência da tributação na exportação causava um desequilíbrio, já que o ICMS é um imposto sobre consumidor e não temos como taxar os consumidores de outros países. Na prática, este tributo vigorava como se fosse um imposto à exportação.


 


Muitos alegam que se considerarmos as exportações dos principais produtos agrícolas em 2017, o setor agropecuário deixou de ser taxado em aproximadamente R$ 25 bilhões de sua renda. Mas com toda a certeza, com taxação extra, não chegaríamos ao valor atual de exportação. Portanto, o que os estados alegam como perda, não seria gerado pelo setor com a permanência da taxação.


 


Nos últimos anos percebemos uma redução clara na renda dos produtores rurais. Eles melhoram em produtividade, mas a margem de lucro diminui. Taxar esse setor seria tirar o Brasil do mercado internacional.


 


FEBRAPDP: Quais seriam as consequências desta emenda para as exportações agrícolas? Afetaria a competitividade da produção nacional?


 


Novacki: A medida vai na contramão do que os grandes players do mercado internacional do agronegócio estão fazendo. Veja os Estados Unidos, por exemplo, eles estão discutindo subsídios e incentivos para que o produtor seja cada vez mais competitivo para melhorar a sua posição no mercado internacional. E o Brasil, com essa medida, vai contra essa tendência, o que seria, de fato, muito prejudicial à economia brasileira.


 


A Lei Kandir, ao acabar com o ICMS nas exportações de produtos agropecuários, foi uma das mais importantes medidas a impulsionar a agropecuária do Brasil nas últimas duas décadas, junto com o crescimento da demanda asiática por nossos produtos. A volta deste imposto nas exportações teria consequências diretas na renda do produtor. A perda de competitividade seria imediata. Não se cogita no meio rural a volta do pagamento de um imposto de exportação. Seria uma medida punitiva e discriminatória contra o campo brasileiro e um contrassenso para a economia do País em geral.


 


FEBRAPDP: E quanto ao sistema produtivo e os preços praticados no agronegócio brasileiro?


 


Novacki: Mesmo com as dificuldades burocráticas que temos no Brasil, mas que o setor do agronegócio está enfrentando; mesmo com leis ambientais das mais rigorosas do planeta e que impõem um ônus que nenhum produtor rural de outros países tem; mesmo com leis trabalhistas completas, como são as nossas; mesmo com dificuldades logísticas para o escoamento da produção; mesmo com todos esses gargalos, o Brasil consegue ser um grande player no mercado internacional. Isso porque produz alimentos de qualidade e consegue ser competitivo. Taxar esse setor seria uma medida desleal contra quem está sustentando a economia do país.

- 01/02/2018 - 14:36:56


Imprimir Fazer PDF Compartilhar por E-mail
388 notícias encontrados. 39 páginas. Mostrando página 1
Buscar em NOTÍCIAS:
SEDE
Avenida Presidente Tancredo Neves, N° 6731
Parque Tecnológico de Itaipu
Edifício das águas 2° Andar sala 201.
CEP: 85867-900
Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil.
+55 45 3529-2092
febrapdp@febrapdp.org.br
FEBRAPDP - Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação
Filiada à CAAPAS
Confederação das Associações Americanas para uma Agricultura Sustentável


Correspondência
Caixa postal: AC PTI 2140
CEP: 85867-970
Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil.