Painel do 18º ENPDP mostra as múltiplas combinações e resultados sustentáveis do SPD

15/06/2022

Da Redação FEBRAPDP

 

Foto: Acervo Embrapa

Manejo Integrado de Pragas, Manejo Integrado de Doenças, SPDH, Mercado de Serviços Ecossistêmicos e de Carbono, Índice de Qualidade Participativo do Plantio Direto (IQP), entre outros assuntos, estarão em destaque na manhã do dia 7 de julho, durante o 18º Encontro Nacional do Plantio Direto na Palha, que acontece no mês que vem em Foz do Iguaçu, PR. O terceiro painel do evento terá como tema central Os Avanços do Sistema Plantio Direto e será composto por seis palestrantes ao todo, que apresentarão cases de como o SPD tem avançado em múltiplas frentes dentro da produção sustentável.

 

Para conferir a programação completa e garantir sua participação no evento, que engloba também o 1º Encontro Mundial do Sistema Plantio Direto (EMSPD), visite o site: https://plantiodireto.org.br/18enpdp/

 

Edivan Possamai, engenheiro agrônomo, extensionista Rural e coordenador Estadual do Programa Grãos Sustentáveis do IDR-Paraná, falará sobre os Avanços na Produção Sustentável de Grãos; Marcelo Zanella, engenheiro agrônomo e pesquisador da EPAGRI, abordará o tema Produção de hortaliças em Sistema Plantio Direto. Já a Dra. Debbie Reed, diretora executiva do Consórcio de Mercado de Serviços Ecossistêmicos - ESMC, Virgínia/EUA, tratara do assunto

Produtores Mais Eficientes, Produtivos, Rentáveis e Sustentáveis com as Oportunidades de Mercado de Serviços Ecossistêmicos e de Carbono; Indicadores do IQP para o Manejo Sustentável dos Solos em Sistema Plantio Direto será a temática trabalhada pelo também engenheiro agrônomo Jeankleber Bortoluzzi, da FEBRAPDP. Os produtores rurais Gleyciano Vasconcellos, de Rio Brilhante, MS, e Maira Coscrato Lelis da Silva, de Guaíra, SP, trarão relatos apresentando os avanços que, efetivamente na prática diária, têm vivenciado em suas experiências a campo. O painel se encerra no final da manhã, com um debate entre todos os palestrantes.

 

MIP e MID

Possamai vai falar sobre as boas práticas agrícolas; mais especificamente sobre técnicas que se somam ao SPD em favor de uma agricultura sustentável, no seu caso, o Manejo Integrado de Pragas (MIP) e o Manejo Integrado de Doenças (MID), nos quais, segundo ele, o conhecimento sobre as melhores práticas a serem desenvolvidas pode contribuir com a parte financeira do produtor e com a parte ambiental, em função da redução do uso de agrotóxicos.

 

“No estado do Paraná, por exemplo, já temos alguns resultados bem contundentes mostrando que a adoção dessas práticas pode reduzir em até 50% o número de aplicações de inseticidas e em até 36% o número de aplicações de fungicidas para a soja durante o seu ciclo. Isso está diretamente relacionado às partes econômicas e ambientais de um sistema agrícola sustentável. Vamos apresentar isso. Esse será o nosso recado”, destaca ele.

 

Como chegar lá na prática

Já o produtor Gleyciano Vasconcelos vai falar sobre os avanços práticos que tem obtido com o manejo biológico. Ele trará não só os relatos dos 7 anos que usa o manejo biológico em sua própria lavoura, mas também dos 5 anos que presta consultoria em lavouras de clientes. “Tenho conseguido reduzir algo em torno de 40% o uso de agroquímicos e defensivos agrícolas químicos com o manejo biológico. Não é só uma substituição simples, mas sim o entendimento manejo, que tem como ponto de partida o SPD, e, a partir dessa base, a condução de um sistema que passa a ser muito o favorecido. Mesmo não tendo também um sistema esse 100% no manejo biológico em si, já é possível acessar muitos resultados”, diz.

“Há duas safras, não uso fungicida químico na minha lavoura — uma área de 1100 hectares. Uso apenas indutores, a parte nutricional e a aplicação de fungicida biológico. Acho importante passar essas nossas experiências e mostrar aos participantes como a fazemos para se chegar a tais resultados. É exatamente isso que vou abordar na minha apresentação. Mostrar como fazemos a multiplicação on farm, como temos conseguido reduzir os custos (até no uso de biológicos) na multiplicação e como isso traz resultados mais positivos”, afirma o produtor.

 

Descontos

Faltando menos de um mês para o início do 18º ENPDP e do 1º EMSPD, lembramos que ainda é possível obter desconto na inscrição. Até o dia 1º de julho (os eventos começam dia 5 de julho), a inscrição para produtores e profissionais sai por R$ 490,00 e para estudante R$ 340,00. Consulte o link https://plantiodireto.org.br/18enpdp/inscricao para ver todas as condições.