CAAPAS: A força do bloco

Da Redação FEBRAPDP 02/09/2021

Durante Assembleia Geral Ordinária, realizada na última terça-feira, dia 31 de agosto, Jônadan Ma, diretor-presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação – FEBRAPDP, foi re-eleito para seu segundo mandato à frente da presidência da Confederación de Asociaciones Americanas para la Agricultura Sustentable – CAAPAS. Rafael Fuentes, diretor da FEBRAPDP e pesquisador do IDR-Paraná, também continuará na direção executiva da entidade.

Segundo Ma, as metas para o novo exercício (2021-2023) é atuar para fortalecer mundialmente a causa da Agricultura Sustentável. Para isso, a ideia central é fomentar as atuação e a representatividade na qualidade de um bloco de países. Atualmente, a CAAPAS congrega a Asociación Argentina de Productores en Siembra Directa - AAPRESID, a Federación Paraguaya de Siembra Directa para una Agricultura Sustentable – FEPASIDIAS, a Asociación Mexicana de Labranza en Conservación - AMLC, e a Asociación Uruguaya Pro Siembra Directa – AUSID, além da própria FEBRAPDP.

“Hoje a CAAPAS está estruturada para se tornar efetivamente uma instituição de representatividade internacional formada por produtores rurais, já que as cinco entidades que a compõem são realmente associações constituídas por agricultores. A partir de agora, a ideia é fortalecê-la em âmbito mundial, uma vez que cresce em todo o planeta a necessidade de empreender esforços pela agricultura sustentável”, explica.

Ma destaca ainda que “no novo período de gestão, a ideia é montar projetos integrados entre todas as federações internacionais desses países membros, o que vai nos permitir maior representatividade como bloco continental junto com iniciativas europeias e de outros países. Um dos principais ganchos para essa articulação está no projeto Sistema Plantio Direto Base para Agricultura Sustentável, através do qual foi estabelecida uma parceria com o Programa Euroclima”, observa ele.

 

Representatividade

A CAAPAS foi criada em 1992 no espírito da expansão do Sistema Plantio Direto no Cone Sul da América do Sul. Foi fundada na Argentina, envolvendo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai num primeiro momento. Depois chegou a contar com o Chile, Bolívia, Estados Unidos, Canadá e México, mas perdeu um pouquinho da força nos anos subsequentes. A proposta inicial era fomentar a expansão do Sistema Plantio Direto e da agricultura sustentável; um objetivo que, segundo Rafail Fuentes, desde o início foi sendo cumprido de forma natural, permitindo que a instituição sempre fosse sinônimo de sinergia e de integração entre os países, principalmente, nesse sentido do da colaboração mútua na expansão do sistema.

“Hoje, no entanto, os desafios da CAAPAS são outros e estão mais envolvidos na representação dos países que a formam no sentido de ocupar um espaço mundial em relação à grandeza e à importância do nosso Sistema Plantio Direto e da agricultura de conservação no Cone Sul, afinal de contas, devido à adoção do sistema conservacionista somos responsável responsáveis por 30% das exportações de grãos de soja, milho e trigo, e algo em torno de 28% do mercado mundial da proteína animal, seja ela bovina suína ou proveniente do setor avícola. Então é muito importante que os nossos países ocupem seus espaços e o protagonismo mundial da defesa de quem faz agricultura sustentável”, frisa Fuentes.

Querendo dar maior consistência às nossas ações como instituição. Temos participado de poucos eventos internacionais e congressos mundiais de agricultura de conservação, opinando pouco em fóruns internacionais como o Fórum 4x1000 ou em reuniões da FAO. Para o período de 2021 a 2023, já está definido o aumento dessa representação e a ocupação desse espaço no nível internacional. Para isso, uma série de ações já estão previstas para reforço da imagem, tais como a criação de um site internacional, redes sociais ativas, uma newsletter para nos comunicarmos permanentemente com os nossos países e com o mundo”.

 

50 anos do SPD

Fuentes revela ainda que também está nos planos mais urgentes da CAAPAS envolver um número maior de países do continente americano nessa articulação. “Acabamos de trazer o México de volta e pretendemos, no curtíssimo prazo, trazer a Bolívia. Já estamos em articulações para reintegrar organizações de produtores da agricultura sustentável do Canadá e dos Estados Unidos. Outra frente muito importante para a diretoria que foi reconduzida são os preparativos para o evento comemorativo dos 50 anos do Sistema Plantio Direto na América Latina em 2023, o que servirá também para engrossar nosso corpo de representação junto a mais países da América Latina”, finaliza.