Entidade de Utilidade Pública Federal desde 1998
FEBRAPDP SISTEMA PLANTIO DIRETO IRRIGAÇÃO PROJETOS PUBLICAÇÕES ENPDP PARTICIPE
English Version
Newsletter




16º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha
Misturas em tanque de agrotóxicos podem ser normatizadas em 2018

 


Governo analisa propostas para aprovação de recomendações técnicas


 


Da Redação FEBRAPDP


 


 



A pujante agricultura nacional faz uso de agroquímicos em larga escala para controlar os mais variados problemas fitossanitários. Devido ao espectro segmentado de ação de cada produto químico, a mistura em tanque de agrotóxicos é a melhor alternativa também para reduzir o custo de produção e os danos ambientais. No Brasil, mesmo com as recomendações técnicas retiradas das instruções de uso dos produtos desde 1984, por orientação do Ministério da Agricultura, a prática permanece integrando o cotidiano na maioria das propriedades rurais.


Um estudo publicado em 2015, pelo pesquisador da Embrapa Soja, Dionísio Gazziero, ouviu 500 profissionais da área em 17 estados brasileiros e mostrou que 97 % dos entrevistados utilizam misturas em tanque. Dos quais 47% sempre misturam agrotóxicos, 48% utilizam com frequência e 2% raramente o fazem. O pesquisador considera a participação do governo fundamental para democratizar as informações de uso, e, de acordo com ele, a expectativa é que uma nova instrução normativa esteja disponível até o início de 2018.


“Esse assunto está sendo discutido, reivindicado, nós fazemos moções desde meados dos anos 1980, a gente percebe que existe uma sensibilidade dos Ministérios da Agricultura, Saúde e Meio Ambiente em discutir e tentar regulamentar. Tanto que existem propostas sendo estudadas pelos três ministérios para que se faça uma instrução normativa conjunta para regulamentar o uso de misturas no Brasil”, afirma.


Outra iniciativa relevante com a qual Gazziero colaborou recentemente foi a composição da “Tabela de compatibilidades e incompatibilidades físico-químicas de misturas em tanque de agroquímicos e fertilizantes foliares para soja e milho”, publicada pela Revista AgroDBO. Patrocinado pelas empresas Máquinas Agrícolas Jacto e Microquímica, o trabalho foi conduzido pelo professor Dr. Rone Batista de Oliveira, da Universidade estadual do Paraná (UENP).


“A pesquisa foi realizada com a preocupação de replicar as práticas de campo quanto ao preparo de caldas e sistemas de pulverização, envolvendo fundamentos básicos essenciais tais como: tipos de formulações; cisalhamento da calda por sistemas de bombeamento e agitação, temperatura, PH, ordem ideal de misturas e conceitos de tecnologia de aplicação. O primeiro desafio foi desenvolver um equipamento ou simulador de misturas que atendesse estes pressupostos visando não perder a natureza da praticidade realizada em campo. O segundo desafio foi obter o máximo de combinações práticas de misturas em tanque para soja e milho”, conta Rone.


Rone analisa ainda os impactos do uso de misturas em tanque na propriedade frente à realidade nacional da pesquisa, tecnologia e extensão, desenvolvidas para sistemas de produção agrícola num território de dimensões continentais, clima tropical e alta diversidade de pragas, doenças e plantas que ameaçam todo o ciclo das culturas.


“Precisamos praticar mais agricultura de precisão e evoluir para cenários em que a máquina entra na área de interesse para realizar aplicação simultaneamente para diferentes agentes de danos. Fica para reflexão, de forma prática, a seguinte situação: Nesta atual data, especificamente na região Norte do Paraná, estamos com soja em campo com presença de diferentes plantas daninhas, pragas de início de ciclo e posicionamento técnico de produtos para prevenção da ferrugem.


O professor reitera os potenciais benefícios da mistura em tanque de agroquímicos e analisa os riscos da utilização da prática sem a devida orientação. Ele reafirma a importância de promover capacitações aos operadores do processo e intensificar as pesquisas na área para gerar evidências técnicas do que é seguro ou não.


“A mistura de múltiplos produtos, compostos de diferentes tipos de formulações, mostra uma realidade de caldas dentro do tanque que pode apresentar alta concentração e/ou diferentes condições, que exigirão cada vez mais dos pulverizadores e também dos profissionais. Quando realizada sem os devidos cuidados, a mistura pode gerar problemas, tais como de deposição no fundo do tanque (decantação), floculação, formação de grumos, separação de fases e insolubilidade. A consequência é geralmente a obstrução do sistema de pulverização, com entupimento das mangueiras, saturação dos filtros principais, filtros de linha, filtros de pontas e entupimento das pontas de pulverização, além de aumentar a desuniformidade durante o processo de pulverização”, orienta.


 

- 15/12/2017 - 15:34:26


Imprimir Fazer PDF Compartilhar por E-mail
404 notícias encontrados. 41 páginas. Mostrando página misturas-em-tanque-de-agrotOxicos-podem-ser-normatizadas-em-2018
Buscar em NOTÍCIAS:
SEDE
Avenida Presidente Tancredo Neves, N° 6731
Parque Tecnológico de Itaipu
Edifício das águas 2° Andar sala 201.
CEP: 85867-900
Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil.
+55 45 3529-2092
febrapdp@febrapdp.org.br
FEBRAPDP - Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação
Filiada à CAAPAS
Confederação das Associações Americanas para uma Agricultura Sustentável


Correspondência
Caixa postal: AC PTI 2140
CEP: 85867-970
Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil.